Vizinho amigo, chifre na certa!!!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (No Ratings Yet)
Loading ... Loading ...

Sou casado com a Márcia uma morena de 39 anos, bonita, sensual e com um bumbum que chama muita atenção, principalmente qdo ela coloca uma roupa que destaca esta parte do corpo dela.   Moramos num Apartamento e temos como vizinhos de andar um casal onde o marido tem 45 anos e a esposa dele 44 anos. O Paulo é o tipo do cara boa pinta e gente boa, daqueles que sempre estão a disposição para ajudar, e tem um papo muito agradável com todos. Várias vezes já peguei a Márcia em bate-papo com o Paulo nomeio do corredor, ou na porta do elevador, e sempre tive ciumes dele, mas como nunca tive prova de nada, sempre deixei rolar. Um belo dia, minha mulher me ligou dizendo que o chuveiro havia parado de funcionar e ela nao toma banho frio de jeito nenhum, me pediu pra que eu comprasse outro chuveiro qdo eu retornasse para casa. Minutos depois liguei pra casa para perguntar que tipo de chuveiro era pra eu comprar, foi qdo ela me disse uma coisa que gelei da cabeça aos pés.   Márcia me disse que o Paulo, o nosso vizinho, se prontificou a tentar consertar o chuveiro e que já estava chegando com uma resistência na mão, e ele havia dito que iria consertar o chuveiro pra ela tomar o banho dela quentinho. Não sei porque, fiquei achando que o nosso vizinho estava cheio de más intenções,e fiquei morrendo de ciumes. Alegando estar com problemas particulares, pedi pra sair mais cedo do trabalho e corri pra casa, e no caminho nao saía da minha cabeça o Paulo dentro de nossa casa sozinho com a minha mulher. Assim que cheguei em casa, subi rapidamente para o nosso andar e entrei bem devagar, e ouvi um ruído que me fez tremer todos os cabelos possiveis do meu corpo.   Fui na ponta dos pés pelo corredor que dá acesso ao nosso quarto e ouvi barulho de tapas, e de minha mulher toda dengosa, reclamando e dizendo, “Ai, ai Paulo, assim vc deixa marquinha na minha bundinha neném. Tá doendo anjinho”, aí eu quase desmaiei. Fiquei com um tesao tao grande, pelo fato do “safado” do Paulo ter a coragem de comer minha mulher na cara de pau, isso me deixou ainda com mais tesao. Saí do corredor,pois eles poderiam me ver, e fui para a área de serviço onde eu poderia ouvir tudo e ainda bater uma punhetinha sem ser visto.

Assim que cheguei na área de serviço, coloquei uma cadeira e subi , de maneira que dava para ver um pedaço do nosso quarto, e dava pra ver minha doce esposinha sendo currada pelo nosso vizinho tarado. A Márcia estava deitadinha de bumbum pra cima com um travesseiro por baixo da barriguinha, o que deixava o bumbum dela, numa posição privilegiada para o Paulo , e tbm pra mim que estava cheio de tesao em cima da cadeira olhando por um pequeno buraco. Mas eu sabia que o Paulo, nao iria perdoar aquela bunda deliciosa ali na frente dele, por isso eu temia pelo que poderia acontecer, pois o comentário sobre o Paulo, era de que ele tem uma vara enorme e costuma se gabar que sempre come as bundinhas das mulheres com quem ele sai. O que eu temia aconteceu. O Paulo deitou em cima da Márcia colocando o peso em cima das costas dela, e mordia a nuca dela e com as pernas dele, ele abria as pernas dela, e eu só ouvia a minha esposinha gemer nas mãos daquele macho no cio. Sem preceber o que ele estava tramando, Márcia apenas gemia aproveitando as carícias dele, foi qdo ele começou a dar linguadas na bucetinha dela enxarcada e sempre passando a lingua tbm no cuzinho dela. Ele ficou ali, chupando ela, e colocando a camisinha naquela vara enorme, que me fez temer, e pensar que ela nao aguentaria aquilo tudo na bundinha, pois o meu pau é menor que o dele, e ela reclama muito. Assim que colocou a camisinha, ele disse: “Agora vc vai tomar no cuzinho sua putinha, e vai aprender a nao me provocar mais. Vc vai ver o que é um macho de verdade”. E colocou a cabeça daquele tronco no cuzinho rosado da Márcia, que tentou sair mas nao conseguia pelo peso do Paulo. E ele falava, ” Quietinha putinha, vc nao queria vara no cuzinho?, Vc nao rebolava pra mim? Agora toma no cuzinho, pode chorar, pode reclamar, o maridinho corninho, nao ta aqui para te socorrer, vc é minha agora”. E Paulo socava aquela vara na bundinha da Marcia, que reclamava que tava doendo, e pedia pra ele gozar logo. “Cala a boca, eu gozo qdo eu quiser”, dizia ele, e dava tapas na bunda da Màrcia. Qdo foi gozar, o Paulo avisou e disse, “Vou gozar, vou gozar, vira logo Márcia”, e assim que ela virou, ele tirou a camisinha e saiu um jato de leitinho que bateu na garganta da Márcia, e ele pegou a cabeça dela e empurrou na direção do pau dele, e mandou ela limpar a vara toda esporrada. A visao que eu tive naquela hora foi linda. Minha mulher de 4, com a cabeça enterrada na vara dele, e ele de joelhos em cima da cama como dedo no cuzinho dela, entrando e saindo. Assim que a Márcia parou de mamar e limpou a boca cheia de leite, o Paulo disse, “agora Márcia vc que vai gozar gostoso pra mim”.    Ela ficou de perninha aberta e sentou no colo dele, e nem percebeu que ele estava sem camisinha, e sentou ate aquela vara sumir dentro dela. O Paulo socava aquela tora todinha dentro da bucetinha da Márcia que estava fora de si, e falava palavras sem sentido. Só qdo ela gozou, foi que ela disse coisa que eu pude ouvir. “to gozando, to gozando, to morrendo de tesao” Os dois cairam abraçados na cama, e o Paulo deitou a Márcia de barriga pra baixo, e ficou chupando a bucetinha dela, e o cuzinho todo vermelhinho de tanta vara que tomou. Assim que a Márcia voltou ao normal, ela disse para o Paulo sair, pq eu já estava chegando em casa. Aí o safado do nosso vizinho, deu um beijo na boquinha dela, deu uma tapa na bundinha dela, e disse, ” amanha quero comer seu cuzinho de novo, deixe a porta encostada as 4 horas que eu vou pegar vc de novo!”. Saí rapidamente da cadeira e desci as escadas e fiquei esperando ele sair do apartamento. Depois de 10 minutos, entrei em casa de novo,e a Márcia estava no banho. Depois de tomar banho, ela saiu e disse que o Paulo havia consertado o chuveiro, e que nao precisava comprar outro chuveiro. Aí eu disse que ia agradecer o nosso vizinho pela gentileza, aí a Marcia disse, que ela já tinha agradecido a ele, pelos serviços. Dei um beijo demorado na Márcia e como ela estava de costas para o espelho, eu aproveitei para dar uma dedada no cuzinho dela, e vi que ele tava todo abertinho e muito vermelho de tanta vara que tomou. O safado do Paulo, me viu no outro dia, e disse que foi um prazer muito grande ajudar a minha esposa, e que qdo queimar de novo a resistência, é só falar com ele, que ele vai de novo.

Por isso, que digo, ter vizinho amigo , é ganhar chifre na certa.   

Você pode deixar uma resposta, ou trackback de seu próprio site.

Deixe uma resposta