Coroa bebado abusou de mim no bar (14 anos)

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votes, average: 4,00 out of 5)
Loading ... Loading ...

Essa história aconteceu quando eu tinha 14 anos, eu sou magro, branquinho, cabelos compridos até o ombro, poucos pelos, e minha bunda é média, mas tem curvas que já a diferencia um pouco das masculinhas.
Eu sempre fui um garoto meio sozinho, daqueles calados que não tém muitos amigos, eu só tinha ficado com uma garota uma vez, e foi um pouco frustante pra mim (e pra ela tb, pois eu era muito tímido). Isso aconteceu em época de férias, acho q em Janeiro, se não me engano. Eu costumava ficar muito em casa vendo TV, pois não tinha muitas outras coisas para fazer, e minha mãe era daqueles mulheres que são de igreja, mas aquelas e vai todo dia pra igreja e ajuda, sai na rua distribuindo papeis, e tals… ela passava pouco tempo em casa, ficava muito dedicada aquela igreja, acho q talvez até por isso aconteceu o que aconteceu.
Aconteceu q a TV queimou, e minha mãe como não travalhava, só recebia uma pensão ae, não tinha muito dinheiro sobrando e disse que como ela não via TV, q não iria gastar dinheiro pra consertar e disse que eu deveria passar mais tempo como ela na igreja, ao invés de ficar vendo TV, ou sair, ou sei lah mais o que (aqueles papos de gente de igreja), eu disse que não iria pra igreja, q não gostava e tals… niso pelo menos minha mãe era boa, ela não me obrigava, só ficava de vez enquando enchendo o saco pra eu ir e tals
Sem TV, acabei ficando sem muito o que fazer, pois moravamos em uma casa simples, e como estava de férias, tb não tinha o que estudar (e eu nem queria tb). Acabei numa das minhas idas a rua, descobrindo que um barzinho no final da nossa rua tinha um fliper, joguei a primeira vez e acabei gostando, até mesmo pq vi que eu jogava bem! Mas esse fliper ficava nos fundos do bar, junto de uma mesinha e da porta do banheiro, era relativamente escondido, achei por sorte. Por ser um fliper que não devia ser muito jogado (era um pouco antigo) ele ficava lá nos fundos e a ficha era meio barata (não lembro quanto, mas era barata). Apesar de pouco, eu tinha um pouquinho de dinheiro guardado, aprendi com minha mãe a nunca gastar tudo, sempre juntar o que sobrava… então tinha dinheiro pra jogar tantas fichas, a cada dia eu jogava um pouco, num desses dias tinha um cara, meio coroa, nessa mesinha que ficava nos fundos (totalmente isolada das outras), bebendo não sei o que…
Enquanto jogava vi pelo reflexo da tela do fliper q ele estava olhando na minha direção. Como havia perdido a ficha, fiquei um pouco zangado com a máquina e falei não lembro o que, q ele se levantou e parou do meu lado, tipo pra ver eu jogar denovo, pois eu já estava colocando a segunda ficha…
Ele era um típico cara de bar, devia ter uns 45-50 anos, alguns cabelos brancos, era meio troncudo e barrigudo tb, mas não muito, uma barba mal feita, peludo (daqueles q não se cuida), branco, vestido de calça moleton e camisa de manga curta.
Mesmo sem ele falar nada, já deu pra ver que ele estava bêbado, pelos sorrisos que dava pra mim, o cheiro, entre outros… como ele estava me tirando um pouco a concentração acabei perdendo a primeira vida muito rápido e fiquei um pouco puto, ele vendo isso disse… \”Você consegue, garoto!\”… fiquei mais puto ainda, pq era ele q estava me atrapalhando e naquele jogo tinha que ficar o tempo todo prestando atenção (era daqueles joguinhos de nave antigos, tipo Galacta). Como tudo que ele fazia, mesmo sem dizer nada, me tirava a atenção, acabei perdendo a ficha muito rápido, no que eu ia embora (nem tive vontade de gastar meu dinheiro pra jogar com aquele cara alí). Ele me chamou enquanto eu ainda estava no corredor que tinha q atravessar pra chegar naquela parte do bar… \”Ei, minininho…\” – \”Que foi?\” – \”Vêm cá, te compro uma ficha.\” … acabei vontando pra ver o que ele queria, acabou que ele não falou nada, e foi lá na frente do bar, quando voltou, voltou com 2, meu humor mudou na hora… peguei as fichas e agradeçi, enquando já colocava a primeira na máquina… começei a partida, ele pareçe q percebeu q estava me atrapalhando e ficou mais parado, sem muito chamar a atenção, acabei indo bem naquela partida. Dado momento, em que passei de um chefe, q era meio difícil, sem perder nenhuma vida, demostrei um pouco de felicidade e ele percebendo isso, pediu q eu explicasse o que estava acontecendo, expliquei… acabou que com algumas outras explicações, ele parecia entender o tudo (ou quase tudo) q se passava na tela, quando passei pro outro nível (fase), realmente eu estava contente, pq tinha bastante vidas e poderia até finalizar o jogo (virar, como muitos dizem).
Vendo minha felicidade, ele veio me abraçar de lado passando o braço por minhas costas e colocando a mão na minha cintura, me dando os parabéns, o mal cheiro + álcool fez se perceber mais ainda, ele era um típico pinguço de bar, acabei não ligando, pq realmente estava contente, assim que começou a fase ele desfez o abraço. Ele só observava enquanto eu jogava, acabei perdendo uma vida naquela fase, mas ainda dava pra seguir em frente, pois tinha outras 2… ao final da fase, novamente ele repetiu o gesto da fase anterior, me abraçando da mesma forma e me dando os parabéns… só que, dessa vez, ele demorou mais pra tirar o abraço, estranhei logo e percebi q que no lugar que ele estava, logo ao meu lado, dava pra ver o corredor, e se estava vindo alguém, ele mesmo percebendo que estava me atrapalhando com aquilo acabou desfazendo o abraço, mas… deixando sua mão passar de leve sobre minha bunda. Eu estava vestido com uma calça moleton tb, só que como minha mãe não tinha muito dinheiro, era um roupa um pouco velha, e ficava meio apertava moldando um pouco minhas pernas, quadril, e claro, minha bunda (como as moletons q meninas costumam usar as vezes, meio apertadas, pois moldava bem minhas curvas). Aquilo foi certo, perdi um vida, pois não esperava que ele passasse a mão em mim… Acabei perdendo um pouco a atenção no jogo, e procurando prestar mais atenção no que ele fazia, pude ver pelo reflexo q ele hora olhava pra mim (sendo boa parte do tempo, para a minha bunda, e algumas vezes, longas olhadas), hora olhava pro jogo, hora olhava pro corredor… percebí que ele estava se aproveitando da situação, pois ali atrás não tinha ninguém, e dava tempo suficiente de parar de fazer qualquer coisa, caso alguém estivesse vindo… Para um cara, tipo ele, ainda por cima bêbado, me ver ali, com meus cabelos um pouco compridos, branco e magro, com aquela calça (e com minha bundinha um pouco aredondada), distraído com o jogo e ainda sabendo q não tinha ninguém olhando, acho q ele deve ter achado a situação perfeita!!
Tentei me concentrar no jogo, acabei conseguindo (nem sei como) passar pro outro nível… nisso, adivinha? Acertou quem disse \”Abraço\”… me deu os parabéns e desfez o abraço logo em seguida, mas como dei uma mexida, sua mão errou minha bunda… mas como estava meio bêbado, não percebeu (ou não ligou pra) aquilo. Acabei morrendo e perdendo a ficha… mas fui muito bem… primeira vez que tinha chegado tão longe… Estava feliz, mas dei um passo pro lado, como de quem iria embora, e ele perguntou se eu não ia jogar a segunda ficha com um sorrido um pouco estranho no rosto.
Adimito que fiquei na dúvida, porque apesar de saber que se eu continuasse ali, ele iria continuar fazendo aquelas coisas (e como sou bem tímido, como havia dito, não conseguiria dizer pra ele parar ou dar um esporro nele), ou se iria pra casa… mas como tinha ido tão bem, e ainda estava no ritmo do jogo… me deu uma vontade enorme de jogar mais uma, ainda mais sabendo que foi de graça…f
Acabei decidindo jogar a segunda (ele insistiu um pouco tb), e queria virar o jogo dessa vez… e como percebi q mesmo fazendo aquilo, ele sempre olhava pro corredor, pois pelo visto também não queria ser visto fazendo aquilo, pois eu era um garotO e ainda por cima, novo. E como mal ou bem, eu tinha que demonstrar um pouco de gratidão a ele, porque ele tinha me dado as 2 fichas, acabei decidindo deixar ele continuar com aquilo, só daquela vez, mas com um certo limite, é claro… e tentaria me preocupar com o jogo…
Em todas as fases, \”ele me deu os parabéns\”, sua mão passou diversas vezes por minha bunda, e q eu apartir de certo momento nem estava mais ligando praquilo e prestando atenção, pois era um jogo de muitas fases… dado momento, numa das passadas, ele deu uma apertada/afagada nela, meio que pra senti-la mesmo … mesmo não gostando do que ele tinha feito, deixei, pois não queria me preocupar com ele, e mal ou bem, ele estava fazendo bem o serviço de vigiar o corredor para ver se vinha alguém. Quando cheguei na fase anterior a que eu morri na ficha passada, ele me surpreendeu, nos parabéns… passou sua mão na minha bunda, mas… por dentro da calça… olhei pra ele, com uma cara que devia ser um misto de susto e raiva. Ele pareceu não se preocupar muito com aquilo, explorou bem minhas 2 nádegas, deu umas apertadas e tirou a mão… -\”Parabéns, meu minininhu.\” … com uma cara de satisfação (e um bom hálito na minha cara)… tive até q ajeitar a calça, q ficou torta… até hoje não sei se meu deu os parabéns por causa do jogo ou pela minha bunda… acabei quase perdendo uma vida por causa disso…
Sabia que tinha chegado ao ponto limite, o que seria no próximo abraço? Acabei perdendo as vidas naquela fase mesmo, mas meio de propósito, pra terminar logo com aquilo… ao final, ele veio me dar os parabéns (novidade), dei um passo atrás, mas acabei pensando em deixar, por ser o último, já q eu já ia embora, por não ter ninguém vindo pelo corredor e por ele estar bêbado (e talvez até mais pelo fato de eu estar quase encuralado). Só que dessa vez me abraçou pela frente, e me apertou sobre seu corpo… pude sentir seu pau bem duro por debaixo da calça na altura da minha barriga, e chegava a fazer uma pressão na minha barriga… e nisso, ele aproveitou pra dar mais umas boas afagadas na minha bunda… aquilo me deixou perplexo, o abraço deve ter demorado uns 10 segundos (q foi muito tempo), nisso senti seu pau crescendo mais ainda. Ele pintou e bordou com minha bunda, certo momento até acabou a parte de trás da minha calça para \”ele\” ficar mais avontade… explorou, apertou e chegou a dar um tapa nela… eu estava imóvel, totalmente perplexo, não espera/acredita naquilo, estava sendo a minha experiência mais próxima de \”sexo\” até então, e meio forçada… o máximo q consegui fazer foi por a cabeça pro lado e olhar o corredor pra ver se não vinha ninguém… não sabia o que fazer… ele desfez o abraço e nisso o olhei de frente e vi q o pau dele já tinha até saido um pouco da calça moleton (Ele estava bem bêbado mesmo e excitado), no que ele foi ajeitar a calça/cueca/pau dele, por uns 2 segundos o seu pau ficou totalmente exposto, estava expremamente duro, chegando a encostar em sua barriga, era enorme pra mim… pois eu tinha 14 anos e eu ainda por cima era bem magro… assim que ele terminou, reorganissei os pensamentos (\”acordei\”, rsrs)… a primeira coisa q consegui pensar foi em ir embora naquele instante, e dando um tchau, meio seco, quase engasgado, fui embora sem olhar pra trás e pros lados, a passos rápidos…

Não tinha o que negar, aquilo mexeu comigo… fiquei pensando em tudo que tinha acontecido, na visão do pau dele (e todo o conjunto, saco, pelos/pentelhos, barriga, torax… tudo)
Pela primeira vez estava sentindo algo diferente… aquele macho nojento mexeu comigo, até o mal cheiro dele já estava gravado
na minha mente de uma forma diferente…
Sinceramente, não sabia o que fazer… sabia que aquilo não era certo, q apesar de eu ser bem ingênuo, sabia que era coisa de bicha ficar pensando em outro homem… mas tinha mexido comigo como nada antes tinha, toda hora me pegava pensando em alguma coisa q tinha acontecido no bar, ou nas mãos dele afagando minha bunda, ou a pressão do pau dele na minha barriga, ou nele todo, ou no cheiro dele… mas de todas as coisas q eu lembrava, a que foi recordista foi a visão do pau dele… Deus!!! Não sabia mais o que fazer… no dia seguinte, no mesmo horário… estava eu em casa, pensando… se ia no bar, ou não…

Adivinha?
Próximo conto eu digo como foi… rsrs
bjs

Você pode deixar uma resposta, ou trackback de seu próprio site.

Deixe uma resposta